Que o raio não os parta!

Há um tempo atrás comecei uma faculdade de Ciências Aeronáuticas. Cheguei a fazer durante 2 anos, e fiz 10 horas de vôo, mas infelizmente é um curso caro e eu sou uma funcionária pública do executivo estadual, ou seja, o salário não me permite alçar muitos vôos…. rsrsrs Mas sou uma amante dessas máquinas voadoras, e enquanto não consigo money para voar, vou acompanhando daqui da terra mesmo.

Hj recebi um artigo interessante, e me lembrei de um mail que recebi mostrando justamente um avião sendo “atacado” por um raio. Tentei colocar o vídeo direto aqui, mas não consegui (coisas de blogueira aprendiz), então achei esse vídeo na net, o link tá aqui: http://www.istosovideo.com/v/1885/boing-747-atingido-por-1-raio….!!!.html

Pelo menos achei 2 gifs animados do mesmo vídeo, já é uma prévia né? rsrsrs

raio1 raio21

AVIÕES E RELÂMPAGOS

Aviões comerciais, em média, são atingidos por relâmpagos uma vez por ano, em geral, durante procedimento de aterrissagem ou decolagem, em alturas inferiores de 5 km. Como conseqüência, a fuselagem do avião sofre avarias superficiais. Na maioria das vezes, a intensificação do campo elétrico pela presença do avião na proximidade ou mesmo dentro de uma nuvem eletrificada ou de uma nuvem de tempestade, dá início a um relâmpago induzido, que se inicia por um líder bidirecional, similar a um relâmpago induzido pelo método de altitude. Após iniciado, o relâmpago induzido pode se tornar um relâmpago intra-nuvem (na maioria dos casos), nuvem-solo ou entre nuvens. Relâmpagos intra-nuvem induzidos por aviões costumam apresentar picos de corrente mais intensos do que aqueles naturais, enquanto que relâmpagos nuvem-solo induzidos por aviões costumam apresentar picos de corrente menos intensos do que aqueles naturais. Relâmpagos induzidos por aviões normalmente apresentam correntes contínuas.
Acidentes com aviões devido a relâmpagos, embora raros, têm ocorrido. O pior deles ocorreu em 1963 nos Estados Unidos quando um relâmpago atingiu o tanque de combustível de um Boeing 707 causando a explosão do tanque e a queda do avião, com a morte de 81 pessoas.No final da década de 60, a indústria aeroespacial modificou o sistema de combustível dos aviões, praticamente eliminando o risco de tais acidentes. A partir daí, os relâmpagos têm produzido apenas danos parciais na fuselagem do avião e nas antenas externas. Os sistemas eletrônicos dos aviões costumam ser blindados de modo a minimizar possíveis interferências devidas às radiações produzidas pelos relâmpagos. Os acidentes com aviões também reduziram, em função dos pilotos evitarem voar próximo às nuvens de tempestade. Além de evitarem os relâmpagos, este procedimento também serve para evitar as rajadas associadas às tempestades. Uma pessoa dentro de um avião está protegida, pois o relâmpago tende a fluir ao longo das partes metálicas externas, não penetrando no avião e seguindo seu caminho na atmosfera. Em geral, os relâmpagos percorrem o avião seguindo um caminho entre o nariz e a cauda, ou de uma asa para a outra, regiões onde o campo elétrico na atmosfera é mais intensificado pela presença do avião. O uso de materiais não metálicos na construção de modernos aviões deve ser investigado, devido à falta de capacidade destes materiais de blindar o interior do avião dos campos eletromagnéticos gerados pelo relâmpago. Tais campos podem afetar os componentes eletrônicos mais sensíveis do avião, causando panes parciais nos instrumentos da aeronave.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s