Mudanças

Já faz um tempinho q não escrevo aqui no meu fantástico mundo….

Desde a última vez q estive aqui, várias mudanças ocorreram em minha vida: mudança de emprego, de horário de trabalho, de ritmo de vida, de estado civil, de estado de espírito e de idade (sim, meu aniversário: 3.6!!!)

Graças a Deus, tudo p melhor. Posso dizer q 2010 está sendo um turning point em minha vida.

Muitas novidades, algumas q sempre sonhei, umas q nunca imaginei q aconteceriam comigo, outras q jurei q nunca deixaria acontecer. Enfim, está um “samba do crioulo doido” de paradigmas… Mas tudo muito bom!!!

Nesses nós de mutação desse período, deixei meu blog de lado, talvez por ser tanta mudança q meus dedos não conseguiriam digitar na mesma velocidade dos acontecimentos!! E olha q já sou uma mulher acelerada, então…. rs

Enfim, agora q as caixas dessa mudança estão voltando a se ajeitar, posso retornar ao meu fantástico mundo…

Como diz meu pai, sou aquela q vai, mas “vorta”. E eu “vortei”, com a alma livre, leve e solta!!! 🙂

Anúncios

Sentimentos estragados

Ontem aprendi sobre como um sentimento natural pode se tornar estragado, se não for mantido dentro de seus limites.

Como saber q seu sentimento passou do limite, e se estragou? É quando ele deixa de afetar apenas quem o está sentindo, e começa a afetar e fazer mal às pessoas q estão à sua volta. O sentimento natural é seu, está no seu campo emocional. O sentimento estragado invade a liberdade de sentir do outro.

Existem 4 sentimentos principais q, se não administrados, o estrago pode surgir:

  1. Alegria: em seu estado normal, amansa a alma e transborda sua energia em sorrisos. A alegria evita mil males e prolonga a vida. Porém, quando a alegria rompe seu limite, ela se torna uma euforia. Essa sim é estragada, pois é uma alegria forçada, que invade a serenidade alegre dos q estão à nossa volta, de forma desenfreada. “A alegria extremada anuncia uma ventura medíocre e passageira.” (Plutarco)
  2. Tristeza: é um ajuste da alma consigo mesma, é uma energia que liberamos p curar. É um livro sábio q se tem no coração e q pouco a pouco vai fabricando uma provisão de ensinamentos para a vida. Porém, alimentar a tristeza a torna estragada, dando lugar à depressão. Esta suga qualquer gota de energia e consome não só ao deprimido, mas a todos q o cercam. “A tristeza é a agonia de um momento. Cultivar a tristeza, um erro de toda vida.” (Benjamin Disraeli)
  3. Prazer: é sentir satisfação plena, seja com bens materiais, com atitudes, com a presença de amigos, com um amor, ou seja por fazer os outros felizes. É um sentimento de preenchimento da alma. É seu alimento. Porém, não devemos confundir essa “alimentação” com “gula”, pq assim o sentimento de prazer se estraga e dá lugar à dependência. Nela, perdemos o controle e nos tornamos verdadeiros buracos negros, sugando qualquer gota de satisfação de uma forma tão voraz, q nem conseguimos + ter prazer no que antes nos satisfazia tanto. É a alma saturada, envenenada. “É válido procurarmos conhecer a que má e penosa servidão nos sujeitamos quando nos abandonamos ao poder alternado dos prazeres e das dores, esses dois amos tão caprichosos quanto tirânicos.” (Sêneca)
  4. Amor: é divino. Deus é amor. Então podemos concluir q esse sentimento, em sua forma plena, só traz benefícios à alma. Do amor derivam a solidariedade, a caridade, a amizade, a compaixão. “O amor é a força mais sutil do mundo”, dizia Mahatma Gandhi. Porém, o amor é livre. Quando esse amor se torna uma ansiedade e o desejo toma o domínio de sua mente, surge a obsessão, q se associa a um desejo intenso e a uma necessidade compulsiva de preenchimento. Daí surgem as manchas da alma: ciúmes patológicos, inveja destrutiva, mágoa, rancores, ódio. Emoções terroríficas permeiam a vida psíquica e interpessoal da pessoa obsessiva, e afetam as obsediadas. “E eu continuo me afogando no tudo e no nada, na luz e nas trevas, na minha própria obsessão” (Lizie Oliveira)

Todos nós estamos sujeitos a romper os limites e enveredar pelos sentimentos estragados. Cabe a cada um o policiamento de sua frequência e o uso de duas das virtudes cardinais: a Prudência e a Temperança.

A Prudência, considerada a virtude-mãe humana, “dispõe a razão para discernir em todas as circunstâncias o verdadeiro bem e a escolher os justos meios para o atingir. Ela conduz a outras virtudes, indicando-lhes a regra e a medida” . A Temperança “modera a atração dos prazeres, assegura o domínio da vontade sobre os instintos e proporcionar o equilíbrio no uso dos bens criados”.

É tênue a linha q divide os sentimentos de seus extremos.

Assim, finalizo com uma frase q sintetiza a essência desse texto: Nada é veneno, e tudo é veneno; a diferença está na dose”. (Theophrastus Bompart)

Eu sou

Estou passando por um processo de mudança voltada p meu eu.

Depois de um bom tempo tendo q invadir meus valores e me convencer diariamente q eu poderia mudá-los, vi q a verdadeira Letícia ficou perdida em algum ponto do espaço. Então resolvi resgatá-la da poeira cósmica do meu insconsciente e voltei a ser do jeito q sou p ME agradar, e não p agradar ninguém. Sou e me assumi assim, e quando as páginas do meu livro da vida forem folheadas, é esta a Letícia q vcs encontrarão: autêntica com a própria alma, e isso é o q importa!

E hj, passeando pelos fantásticos Blogs aqui do WordPress, encontrei um post do Leão, q resolveu fazer um processo parecido com o meu. Deixo aqui alguns trechos soltos, o texto todo vc encontra aqui.

” passei tanto tempo não querendo magoar ninguém… e magoando ainda mais e percebi (percebo) que me magoei bastante no trajeto tentando ser quem não sou… tentando ser melhor… fui pior ainda… meu caminho eu trilho só. Sendo vc mesmo… apenas vc… vc saberá que, se alguém gosta de vc, é pq gosta de vc e não de alguém formatado, idealizado… se alguém amar vc… ama vc… se odiar… odeia vc.

Sim… somos atores… mas há personagens que não nos cai bem… não nos cabe… então, pq insistir em sê-los?”

“Tentando ser melhor, fui pior ainda”, então resolvi ser.. simplesmente eu.

E quem quiser goste de mim da forma que sou, e quem não gostar de mim, tudo bem, a gente nunca consegue agradar gregos e troianos ao mesmo tempo né? Bem vinda de volta, Letícia!!!